quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Brevíssima história do Jazz

*Em homenagem ao grande historiador inglês Eric J. Hobsbawn (1917-2012) 
Existe uma etapa de nossa vida em que é muito possível nos apaixonarmos pela música, e em especial, pelo Rock. Trata-se da adolescência, esse período interessantemente conflituoso de nossa existência... Seja por vontade própria ou por mera “imposição” de grupo, muitos acabam adotando uma banda, particularizando um som...
Na minha adolescência não foi diferente, porém com certa moderação. Minha mãe até hoje muito crente, sempre me “proibiu” de escutar qualquer tipo de música “mundana”, segundo ela, “coisa do demo”...  Essa atitude materna não foi de tudo ruim. Com uns 15 anos comecei a estudar música e tive contato o gênero instrumental. Foi a saída, a estratégia para evitar um atrito com minha mãezinha querida... A música instrumental em si não tem lá muito público (estava também resolvida a questão da particularidade musical), muito dificilmente escutamos um rock, um funk ou mesmo um pop instrumental, a necessidade do cantor se tornou imperativa na história recente da música popular. Restou o jazz, que na maioria das vezes, não ter cantor. Sem perceber, me tornei um apreciador desse estilo...
Na busca por entender um pouco mais sobre tudo isso, procurei alguma obra que me aprofundasse no tema. Tive contato então com o livro “História social do Jazz” do renomado historiador inglês Eric J. Hobsbawm. Tive várias surpresas, como por exemplo, que o livro foi escrito (1958) para defender o jazz... Como assim? Pensei. Defender de quem? Da incrível revelação que foi o rock na década de 60 (Beatles, não só, mas principalmente). Na realidade, a história do jazz em muito se confunde (mas não só isso, também depende, rivaliza, influencia) com a história do rock.


Geografia do jazz

O jazz é antigo, suas origens remontam ao inicio do século XX. Consiste numa manifestação artístico-cultural da comunidade negra norte americana residente do Sul dos Estados Unidos. Os maiores créditos vão para a cidade de Nova Orleans, uma região conhecida como Delta do Mississipi. Delta é a foz do rio, é onde o curso hídrico espraia devido o contato com algum lago ou mar, formando uma espécie de triangulo, um Y, ou delta (∆), aquela letra grega muito usada na matemática.


O movimento jazz, sua decadência e retomada

Esse novo estilo procurava expressar as duras condições de vida dos ex-escravos do sul agrário americano. A coisa não era só música, o jazz continha também uma proposta política, um quê de reivindicação, de revolta, de revolução, que foram totalmente adaptadas pelo rock, com muitas vantagens, como a amplificação, a simplicidade, a figura direta do cantor, a presença da multidão. O jazz sempre foi uma música de público reduzido, e no auge do rock passou para os bastidores da arte. A coisa foi tão feia, que durante as décadas de 1950-80 houve uma espécie de dispersão de músicos jazzistas pelo mundo, inclusive para o Brasil, como é o caso de Booker Pittman, um dos pais do saxofone soprano, que sumiu de Nova Orleans por essas épocas e apareceu anos depois numa plantação de café no norte do Paraná.
Saxofone - o instrumento símbolo do Jazz
Logo após esse longo período decadente, o jazz voltou a brilhar. Tanto pela linguagem do Fusion, um estilo que surge da mistura do jazz com o rock, quanto pelos novos músicos que resgataram a linguagem antiga, agora com novidades.
Hoje, ao falarmos de jazz, é comum os comentários “é coisa de velho”, “música de tiozinho”... Convém mudar esse conceito, popularizar o jazz...

Louis Armstrong (1901-71) um trompetista e cantor de jazz que marcou a história. Essa música "What a wonderfull world", de 1967 surgiu num contexto de tensão social nos EUA (a década de Martin Luther King, de Malcon X, da contestação da guerra no Vietnã pelos Hippies). É um típico jazz tradicional, um swingue lento.


Duke Ellington (1889-1973), um dos maiores compositores da história do jazz. Ella Fitzgerald (1917-96), a rainha do jazz. "Dukes place" é um exemplo de Dixieland, ou jazz tradicional, com  velocidade, música para se dançar.


Chick Corea um dos maiores nomes do jazz fusion do mundo. "Spain" tornou-se um  jazz standard, que são temas musicais conhecidos mundialmente.