quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Recife e o Movimento Mangue Beat

Algumas vezes, o conhecimento parece seguir uma "ordem lógica". Num dia você aprende o que significa uma certa palavra, e de repente passa a percebê-la em locais onde antes a mesma não fazia sentido algum! Porém, uma lógica, neste caso, é questão de interpretação, uma vez que isso pode ser visto como caos também, acaso talvez...
Por conta de alguns compromissos acadêmicos tive contato com a obra Mudar a cidade, de Marcelo Lopes de Souza, que no cap. V  traz algumas considerações sobre a cidade do Recife, considerações estas alarmantes. O texto apresenta que a capital Pernambucana com sua população de quase 1 milhão e meio de habitantes, possuía a parcela de 46,4%  residindo em favelas (dados de 1991), em 224 favelas distribuídas pelo município. Nessa época (década de 1990), Recife foi considerada a quarta pior cidade do mundo para se viver...
Esse caldo social foi o que motivou o surgimento do Movimento Manguebeat, uma reação por parte de alguns artistas que visava utilizar da arte para fazer uma crítica à realidade desigual Recifense.
A orla marítima de Recife mostra a beleza e riqueza da cidade. Reflete o poder da elite local, que se enxerga herdeira dos holandeses fundadores. A apenas algumas quadras para dentro do continente é possível ver toda a pobreza que estes grandes prédios escondem. Fonte: LIMA, 2013.

Bairro de Guararapes - Esgoto a céu aberto, crianças expostas à agua contaminada, casas improvisadas. Esta é a realidade da maior parte da população no município. Fonte: LIMA, 2013.
 

Documentário - Chico Science e o Movimento Manguebeat 

 

sábado, 4 de janeiro de 2014

Dedicatória

"As boas ideias possuem a virtude da duração. Seus autores, mestres na arte da vida e na compreensão da realidade, nos indicam o caminho; cabe a nós a escolha. A felicidade está ao lado".



"É necessário praticar desde cedo aquilo que confere felicidade, pois com ela possuímos tudo, e a quem ela faltar, tudo fará para adquirí-la". Epicuro